Make your own free website on Tripod.com

 

CONHEÇA ALGUMAS DAS ORIENTAÇÕES QUE ESTÃO CONTIDAS NO LIVRO


Muitas pessoas, e até candidatos, desconhecem a verdadeira função de um Vereador. Elas pensam que o Vereador representa um bairro, que ele deve ser o responsável pelas obras e que ele deve fazer favores. O papel de um Vereador é o de fazer leis (ele é membro do Poder Legislativo) e o de fiscalizar as ações do Prefeito...

A decisão política de ser ou não ser candidato deve ser bem tomada. Para isso, é necessário que o pré-candidato reflita muito se deve ou não deve ser candidato, pois nem sempre o momento é propício...

É necessário tomar cuidado com os apoiadores “fogo de palha”. Eles costumam incentivar que a pessoa saia como candidato e prometem que irão ajudar nas mais variadas formas de campanha, mas depois desaparecem...

Para ser candidato a Vereador não basta simplesmente ter vontade, mas são necessários vários requisitos legais (ser eleitor, ser filiado a um partido político, ser alfabetizado, não estar incluído entre os inelegíveis, desincompatilizar-se em tempo hábil de determinadas funções, etc.)...

O grande número de candidatos a Vereador faz com que o voto para este cargo seja muito pulverizado (muito dividido) e disputado. Numa mesma base eleitoral (bairro, empresa, escola, categoria profissional, igreja, escola de samba, etc.) é comum existirem vários candidatos disputando o voto. Até mesmo em uma família é frequente existirem vários candidatos disputando entre si...

Dizem que os candidatos enganam o povo, mas o inverso também pode acontecer. Como a maioria dos candidatos a Vereador são “marinheiros de primeira viagem”, com pouca ou nenhuma experiência em campanha eleitoral, tornam-se presa fácil para aqueles que querem enganá-lo e até tirar proveito de sua ignorância. Prestadores de serviços podem cobrar preços altos e entregar materiais em quantidades menores do que o combinado; cabos eleitorais costumam prometer o voto de seus redutos para vários candidatos ao mesmo tempo, além de outras armadilhas que o candidato pode cair...

Segundo a Lei Eleitoral, “o candidato é o único responsável pela veracidade das informações financeiras e contábeis referente à sua campanha, devendo assinar a respectiva prestação de contas sozinho ou, se for o caso, em conjunto com a pessoa que tenha designado para essa tarefa”. (art. 21 da Lei 9.504/97). Por isso, o candidato deverá escolher alguém de sua estrita confiança para administrar a movimentação financeira da campanha...

O uso de recursos de informática em uma campanha eleitoral, aumentará em muito a sua agilidade, que é tão necessária. Um programa de BANCO DE DADOS substitui o tradicional fichário de endereços e poderá emitir, em poucos segundos, relatórios dos eleitores da maneira que mais interessar ao candidato: em ordem alfabética, por bairro, por rua, etc. O uso da Internet também poderá ajudar muito ao candidato, desde que ele conheça bem os recursos disponíveis. Outro motivo que torna importante o aprendizado de noções de informática é que a votação é feita em urna eletrônica...

Para ganhar uma eleição não adianta simplesmente fazer uma boa campanha e conseguir eleitores aptos a votar em um determinado candidato. É também necessário fiscalizar todo o processo de votação, apuração e totalização dos votos, pois o nosso processo eleitoral é sujeito tanto a erros quanto a fraudes e isso já causou várias injustiças. Existe até um ditado popular que diz que “o candidato dormiu Vereador e acordou suplente”...

Ganhar uma eleição para vereador já é um grande desafio. Entretanto, exercer um bom mandato e ter o trabalho reconhecido, é um desafio ainda maior, pois o eleitorado costuma esperar um grande desempenho daqueles que são eleitos...